Arquivo da tag: justiça

Nunca se defenda (A. W. Tozer)

Ao invés de nos preocuparmos com nossa reputação deveríamos  estar atentos em como Deus nos vê. Podemos ter uma bela reputação diante das pessoas, e ser ao mesmo tempo reprovado pelo Senhor. Se nos preocuparmos o tempo todo sobre o que as pessoas pensarão de nós ficaremos “engessados” para servir a Deus. Jesus perdeu completamente sua reputação ao morrer da forma que morreu, mas estava fazendo a vontade do Pai. É só isso que deveria importar para nós também – fazer a vontade do Pai.

Abaixo segue um texto onde A. W. Tozer fala mais sobre isso. Boa leitura.

Lorimar

Todos nós nascemos com o desejo de defender-nos. E, caso insista em defender a si mesmo, Deus permitirá que você o faça. Porém, se você entregar sua defesa a Deus, então, Ele o defenderá. Ele disse a Moisés certa vez: “Serei inimigo dos teus inimigos e adversários dos teus adversários” (Êx 23.22).

Muito tempo atrás, o Senhor e eu chegamos juntos ao capítulo 23 do livro de Êxodo, e Ele me mostrou essa passagem. Já faz trinta anos que ela tem sido uma fonte de bênçãos indizíveis para mim. Não tenho de lutar. O Senhor é Quem luta por mim. E Ele certamente fará o mesmo por você. Ele será o Inimigo dos seus inimigos e Adversário de seus adversários, e você nunca mais precisará defender a si mesmo.

O que defendemos? Bem, defendemos nosso serviço e, particularmente, defendemos nossa reputação. Sua reputação é o que os outros pensam que você é, e se surgir alguma história sobre você, a grande tentação é tentarmos correr para acabar com ela. Mas, como você bem sabe, tentar chegar até a fonte de uma história assim é uma tarefa inútil. Absolutamente inútil! É como tentar achar o passarinho, depois de ter encontrado uma pena no gramado. Não poderá fazer isso. Porém, se se voltar completamente ao Senhor, Ele o defenderá completamente e providenciará para que ninguém lhe cause dano. “Toda arma contra forjada contra ti, não prosperará”, diz o Senhor, “toda língua que ousar contra ti em juízo, tu a condenarás” (Is 54.17).

Henry Suso foi um grande crente em dias passados. Um dia, ele estava buscando o que alguns crentes têm-me dito que também estão buscando: conhecer melhor a Deus. Vamos colocar isso nestes termos: você está procurando ter um despertamento religioso no íntimo de seu espírito que o leve para as coisas profundas de Deus. Bem, quando Henry Suso estava buscando a Deus, pessoas começaram a contar histórias más sobre ele, e isso o entristeceu tanto que ele chorou lágrimas amargas e sentiu grande mágoa no coração.

Então, um dia, ele estava olhando pela janela e viu um cão brincando no terraço. O animal tinha um trapo que jogava por cima de si, e tornava a alcançá-lo apanhando-o com os dentes, e corria e jogava, e corria e jogava muitas vezes. Então, Deus disse a Henry Suso: “Aquele trapo é sua reputação, e estou deixando que os cães do pecado rasguem sua reputação em pedaços e a lancem por terra para seu próprio bem. Um dia desses, as coisas mudarão”.

E as coisas mudaram. Não demorou muito tempo até que os indivíduos que estavam atacando a reputação de Suso ficassem confundidos, e ele foi elevado a um lugar que o transformou num poder em seus dias e numa grande bênção até hoje para aqueles que cantam seus hinos e lêem suas obras.

(Artigo extraído do livreto Cinco Votos Para Obter Poder Espiritual, de A. W. Tozer, Editora dos Clássicos, julho de 2004).

http://camposdeboaz.xn.blog.br/nunca-se-defenda-a-w-tozer#comment-22

A ira do homem não produz a justiça de Deus

“Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar.” Tg 1.19

Ao serem ofendidas, machucadas, ou mutiladas a tendência natural das pessoas é irar-se contra o agressor. Pode parecer justo agir assim, mas Deus não vê desta forma. Sempre que revidamos a uma agressão sofrida impedimos Deus de agir e operar sua justiça, cura, salvação e libertação. Talvez pensemos: “Para Deus é fácil falar, afinal, ele é o todo poderoso, e não pode ser atingido”. Diante deste pensamento mostramos ignorância em relação ao fato de que ninguém em toda a história foi mais ofendido, maltratado, ferido e humilhado do que Jesus. E Jesus é Deus. Vejamos alguns textos bíblicos que mostram isso:

“Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso.” (Is 53.3

“Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca.” (Is 53.7)

“E, sendo acusado pelos principais sacerdotes e pelos anciãos, nada respondeu.” (Mt 27.12)

“… pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente…” (1Pe 2.23)

Além destes textos acima citados há muitos outros que mostram como o Senhor sofreu enquanto esteve nesta terra. Entretanto, ele se entregava aos cuidados de Deus no tocante a justiça. Ele sabia que o Pai julga retamente. Então, se Jesus, um homem sem pecado agiu assim, como ousamos agir diferente? Nós que merecíamos apenas a morte, por causa de nossas grandes transgressões, buscamos fazer justiça, sendo nós totalmente injustos. Não há justiça em nós, fora de Cristo. Se quisermos viver na graça do Senhor precisamos aprender isso.

Pessoas que perdoam e confiam a Deus suas ofensas são pessoas que sabem o que é paz. É fácil perceber isso ao olhar seu semblante – seu olhar está voltado para Deus, onde reside a justiça. Estas pessoas não fingem que ofensa não existe. De fato elas sofrem com ela. Entretanto elas decidem obedecer a palavra de Deus, que entre outras coisas diz que devemos amar nossos inimigos, e orar pelos que nos perseguem (Mt 5.44). Impossível não é mesmo? É mesmo impossível. Só conseguimos viver esse padrão se Cristo vive em nós. Vai totalmente contra a corrente do mundo onde o ódio e a intolerância são pregados. Para esse mundo corrompido pelo pecado o não revidar é sinal de fraqueza ou de covardia. Mas a verdade é que essa atitude constitui um golpe poderoso em satanás, ao mesmo tempo em que honra a Deus. Satanás sabe que pessoas sujeitas ao rancor e a ira são alvo fácil para ele. Muitos cristãos que andavam bem com Deus e dando frutos, no momento estão estacados por viver em função da justiça própria. Muitos se afastaram dos caminhos do Senhor. Essa condição não mudará até que se permita que o espírito de perdão e de dependência do Espírito Santo faça parte de sua vida.

Estaremos seguros se continuamente nos lembrarmos que somos pecadores, e que jamais teremos razão na questão de fazer justiça a nossa maneira, quando Deus nos perdoa de maneira tão cheia de graça e amor.

Lorimar

Amar a vinda do Senhor

Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda.” 2Tm 4.8

Preciso ser honesto comigo mesmo e admitir que não tenho amado a vinda do Senhor como deveria. Quando algum irmão ou irmã fala que Jesus em breve voltará muitos de nós dizem “aleluia” ou “amém”, sem estarmos verdadeiramente animados com este acontecimento tão grandioso. O fato é que não podemos gerar em nós um sentimento de alegre expectativa; não podemos forjar isso. É o Espírito Santo que nos mostra e traz esta alegria para o nosso coração; precisamos insistentemente pedir a ele que nos mostre a beleza e o poder de Cristo vindo sobre as nuvens em poder e glória (Mt 24.30; Lc 21.27). Só ele pode abrir nossos olhos para ver. Entretanto, há coisas básicas que todo cristão sabe ou deveria saber, e que devem ser postas em prática para viver na alegre expectativa da volta do Senhor. Uma delas refere-se ao amor pelo mundo e seus muitos atrativos que nos desviam o olhar de Cristo. Assim como Ló, muitos escolhem a campina do Jordão (Gn 13.10-12), correndo o risco de fincar raízes em Sodoma. Sodoma fala do pecado e da rebelião que influência essa terra, já condenada à destruição. Também precisamos entender que Deus já na eternidade planejou ter uma família com muitos filhos semelhantes a Jesus. Plano esse que está em plano andamento e que será realizado, afinal nenhum dos planos de Deus pode ser frustrado (Jó 42.2).

Além desses dois pontos já mencionados podemos falar também das Escrituras sendo cumpridas em nossos dias a um ritmo cada vez maior – falta pouco para tudo se cumprir. Para quem não conhece o Evangelho estes cumprimentos são motivos de preocupação e medo, mas para nós, deve ser motivo de grande alegria, pois nossa redenção está próxima (Lc 21.28).

Em meio aos acontecimentos finais cabe a nós perseverar. Não é o que corre mais rápido que vence ou termina a corrida, mas aquele que persevera e completa a carreira, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus (Hb 12.2). Nosso alvo é, e será eternamente Cristo.

Amemos verdadeiramente seu retorno.

Lorimar